Políticas de Privacidade

*

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site, buscando melhorar a experiência dos usuários.

Para saber mais, consulte nossas Políticas de Privacidade ou entre em contato pelo e-mail dpo@zahg.com.br

Pandemia impulsiona adoção de novos hábitos online pelos idosos

eBooks, Estudos

Em isolamento social, público passou a aceitar mais facilmente as novas formas de comunicação e consumo pelas plataformas digitais. Novos comportamentos podem potencializar os negócios das marcas

A pandemia do novo coronavírus foi um gatilho para que as pessoas acima dos 60 anos passassem a usar mais a internet para consumo de produtos e busca de notícias. Para entender como ocorre essa transição de conduta, tendo em vista que se trata de um público considerado mais “analógico” e resistente a mudanças e inovações tecnológicas, lançamos o segundo estudo “Idosos, a Pandemia e a Inclusão Digital”.

Em 1962, o professor de psicologia Everett M. Rogers desenvolveu uma teoria chamada “Curva de Adoção”, que explicava o fenômeno do porquê algumas pessoas estão mais dispostas a adotarem novos comportamentos e outras não. Dentro desses princípios, destacam-se cinco grupos:

  • “Inovadores” (os primeiros que aderem à novidade)
  • “Primeiros Adeptos” (os formadores de opinião que querem diferenciação)
  • “Maioria Inicial” (esperam o produto ficar mais popular)
  • “Maioria Tardia” (cautelosos e sensíveis a preços)
  • “Retardatários” (consomem produtos quando não há alternativa)

A ideia indica que existe um “abismo” entre os “Primeiros Adeptos”, que vão validar os produtos para o mercado, e a “Maioria Inicial”, que ainda está em processo de adaptação ao novo. E assim, o “abismo” foi preenchido pela “necessidade”.

 

Com a pandemia, fomos forçados a assumir novos produtos, tecnologias, metodologias e comportamentos. As pessoas não estão fazendo reuniões virtuais ou compras online por uma opção natural, mas por uma imposição da vida.

Elaine Venga, gerente de Inteligência Estratégica.

Em isolamento social, os consumidores mais velhos se viram na necessidade de aprender a lidar com as novas tecnologias. O problema foi determinante para que o consumo online se tornasse uma atividade recorrente. Além disso, para se aproximarem de suas famílias e amigos, eles passaram a aceitar as novas formas de comunicação por meio de grupos de chamadas dos aplicativos de mensagens instantâneas, plataformas de vídeo conferências, entre outros. Para se ter uma ideia, em fevereiro e março desse ano, as principais perguntas que apareceram no Google Complete foram: “como fazer compras online”, “como pagar conta pela internet” e “como fazer uma chamada de vídeo”, relevando, assim, uma necessidade de alfabetização digital. Algumas empresas, como os bancos, conseguiram antecipar essa tendência e já investem há algum tempo em vídeos tutoriais para auxiliar esse grupo a instalar aplicativos e utilizar seus canais digitais.

O estudo desenha um cenário em que as marcas têm tudo para potencializar seus negócios. É preciso que as empresas participem ativamente da inclusão digital desses consumidores, criando uma comunicação e oferecendo produtos ou serviços mais direcionados para eles. Além disso, torna-se estratégico o investimento em plataformas que sejam o mais “user-friendly” possível, com uma linguagem apropriada, design e interface intuitivos, de fácil entendimento e usando um tom de comunicação relacionado a esse público, que está totalmente disposto a comprar, utilizar os apps, se informar e viver bem e melhor cada dia mais.

O momento que vivemos, por mais preocupante que seja, pode ser transformador para as estratégias de marketing digital das marcas. Esses consumidores não querem mais ser chamados de velhos. Encontramos dados que mostram que 35% dos maduros são gamers e utilizam fortemente o Facebook, Youtube, Google e WhatsApp. As marcas precisam estar onde esse grupo, que tem poder aquisitivo e sede de aprendizado, está. Cada vez mais isso fará a diferença nos resultados dos seus negócios. 

Márcio Jorge, diretor de Inteligência da ZAHG.

 

Saiba mais em Idosos, a Pandemia e a Inclusão Digital:

Idosos, a Pandemia e a Inclusão Digital

Informações mais detalhadas sobre a inclusão digital da terceira idade, você encontra no primeiro estudo:

A Terceira Idade na Era Digital

Ícone Whatsapp